Arquivo por categoria Vistoria de Imóvel

Vistoria de imóvel previne incômodos após a compra e locaçao

Recorrer a profissionais capacitados em todas as fases da compra evita incômodos para o futuro morador. Sobretudo se a construção tem mais de 20 anos.

O primeiro passo é a escolha de uma imobiliária de confiança, indica Antonio Azmuz, diretor da Auxiliadora Predial. O cuidado é para que o corretor seja um aliado.

Durante as visitas, “o comprador precisa olhar as torneiras, se as tomadas estão funcionando, procurar rachaduras e até subir na laje”, recomenda Dalton Toledo, do Portal ZN Imóveis.

As visitas não excluem, porém, a vistoria técnica feita por perito. O serviço custa, em média, R$ 2.000.

O profissional contratado pode perceber problemas invisíveis aos olhos de leigos.

“Às vezes a unidade está em bom estado, mas em breve o condomínio vai precisar de uma reforma”, explica o conselheiro do Ibape (instituto de avaliações e perícias de engenharia) Nelson Nór.

Em casos assim, a avaliação serve como ferramenta de negociação por descontos.

Para o professor Cláudio de Tavares Alencar, do núcleo de Real Estate da Universidade de São Paulo, o raciocínio é simples. “Se você compra um carro usado, não leva ao mecânico para ver se está funcionando? Por que com o imóvel seria diferente?”

Busca uma solução para fazer vistorias?

O site Laudo de Vistoria Online (www.vistoriaonline.com) possui uma solução prática para realizar vistorias de todos os tipos.
Através dele, o vistoriador realiza a vistoria através do seu celular ou notebook diretamente do local onde está.
No caso de imóveis por exemplo, ele define a quantidade de cada cômodo (2 quartos, 1 banheiro, 1 cozinha) e inicia a vistoria. Ao finalizar, a empresa recebe um e-mail em tempo real, com a vistoria já padronizada (com as melhores práticas do mercado) e aberta para customização.
Após finalizar sua vistoria de entrada, ela também serve de base para você realizar a de retificação (contestação) e a de saída, o que facilita seu trabalho e economiza tempo.
Acesse agora o site e teste o sistema sem nenhum compromisso.

Fonte: Folha.com

Tags: , ,

Vistoria de imóvel vale a pena? Trata-se de uma ferramenta de apoio às transações imobiliárias

A vistoria de imóvel para fins de locação não ser vista apenas do ponto de vista de uma exigência legal. Antes de tudo, ela é um instrumento que traz transparência e segurança às partes envolvidas, e pode ser utilizada como uma poderosa ferramenta de apoio às transações imobiliárias em geral. Para isso, podemos recorrer a empresas especializadas com “expertise”, credibilidade e know how.

Vistoria para Locações

Além de estar prevista para efeitos de locação de imóveis, é interessante para as partes que também no ato de entrega se faça nova vistoria, para uma melhor constatação e comparação dos registros feitos anteriormente. Hoje, podem ser feitas vistorias que, além da constatação das condições do imóvel para fins de locação, também agregam às mesmas a possibilidade de se realizar um registro de todo o conteúdo (imóvel locado com mobiliário). Com isso, gera-se um inventário do conteúdo do imóvel, documento que gera um TERMO DE INVENTÁRIO a ser conferido e assinado entre as partes quando da entrada e entrega do imóvel. Todos os elementos desta vistoria, podem ter anexados um “registro fotográfico”, além de minuciosa descrição dos objetos.

Vistoria para compra e venda

Uma outra face interessante deste tipo de vistoria, é que ela pode muito bem servir para os interessados em transações de compra e venda de imóveis, pois possibilita às partes um registro das exatas condições do imóvel em níveis estéticos quando da assinatura do Contrato de promitente Comprador ou do recibo de compra e venda definitiva. Também este laudo de vistoria é acompanhado, além da descrição, de registro fotográfico, qualquer que seja o imóvel. E nada melhor que contratar uma empresa especializada, para a realização de um laudo de vistoria imparcial e justo para as partes.

Busca uma solução para fazer vistorias?

O site Laudo de Vistoria Online (www.vistoriaonline.com) possui uma solução prática para realizar vistorias de todos os tipos.
Através dele, o vistoriador realiza a vistoria através do seu celular ou notebook diretamente do local onde está.
No caso de imóveis por exemplo, ele define a quantidade de cada cômodo (2 quartos, 1 banheiro, 1 cozinha) e inicia a vistoria. Ao finalizar, a empresa recebe um e-mail em tempo real, com a vistoria já padronizada (com as melhores práticas do mercado) e aberta para customização.
Após finalizar sua vistoria de entrada, ela também serve de base para você realizar a de retificação (contestação) e a de saída, o que facilita seu trabalho e economiza tempo.
Acesse agora o site e teste o sistema sem nenhum compromisso.
É o fim da prancheta!

Fonte: CRECI RS

Tags: , ,

Vistoria de imóveis para avaliação e definição de valor leva cerca de dez minutos

“Demorou cerca de dez minutos. Achei que [o engenheiro] iria abrir as torneiras, mas ele só olhou”, relata a jornalista Aline Ferreira, 26, sobre a avaliação feita em seu apartamento em Santa Cecília (centro de São Paulo).

“A vistoria é feita visualmente”, confirma o engenheiro Eduardo Burger, da Avaliar, que realizou o procedimento no apartamento de Ferreira. Verificam-se defeitos como trincas e presença de umidade nas paredes, diz.

“Consideramos a idade aparente do imóvel. O prédio pode ter 40 anos, mas a unidade pode ter cara de cinco ou de dez se foi reformada.”

Ao coletar dados para a análise comparativa, Burger, que afirma fazer esse trabalho há mais de 20 anos, diz que, “a princípio”, o porteiro é tido como uma “fonte fidedigna, séria”.

“Às vezes você ignora a informação se vê que a pessoa fala bobagem”, pondera. “Há, por exemplo, o porteiro doutrinado por quem quer comprar o imóvel, para passar um certo valor. Com os anos de experiência, você percebe a malandragem.”

Quando o cliente pede uma reavaliação, o trabalho demora mais, de cinco a dez dias -na primeira, são de três a cinco. É feito um laudo mais complexo, com um maior número de elementos.

Discordâncias na avaliação geralmente surgem quando o preço do bem se aproxima de valores que dividem linhas de crédito. Para se enquadrar no SFH (Sistema Financeiro da Habitação), que viabiliza juros menores, o imóvel não pode valer mais que R$ 500 mil -o mesmo teto se aplica para obter a liberação do FGTS.

“Há mais divergências no caso de imóveis usados, em que os acabamentos e o estado de conservação variam mais”, observa o advogado Marcelo Manhães, presidente da Comissão de Direito Urbanístico da OAB-SP.

Busca um sistema para fazer vistorias?

O site Laudo de Vistoria Online (www.vistoriaonline.com) possui uma solução prática para realizar vistorias de todos os tipos.
Através dele, o vistoriador realiza a vistoria através do seu celular ou notebook diretamente do local onde está.
No caso de imóveis por exemplo, ele define a quantidade de cada cômodo (2 quartos, 1 banheiro, 1 cozinha) e inicia a vistoria. Ao finalizar, a empresa recebe um e-mail em tempo real, com a vistoria já padronizada (com as melhores práticas do mercado) e aberta para customização.
Após finalizar sua vistoria de entrada, ela também serve de base para você realizar a de retificação (contestação) e a de saída, o que facilita seu trabalho e economiza tempo.
Acesse agora o site e teste o sistema sem nenhum compromisso.
É o fim da prancheta!

Fonte: Folha.com

Tags: , ,

CURSO: Avaliação de Imóveis do IBAPE-MG

CURSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS – INTRODUÇÃO

Público Alvo

Engenheiros e Arquitetos

Data e Horário

19/11/2010 – 08:00 às 18:00 (Sexta-feira) – 20/11/2010 – 08:00 às 18:00 (Sábado)

Local

Cheverny Apart Hotel,Rua Timbiras, 1492 – Lourdes – Belo Horizonte/MG, Ref.: Entre Rua da Bahia e Av. João Pinheiro (Tema: Curso de Avaliação de Imóveis do IBAPE)

Contato

31 3218-2800 / 3222-5601, E-mail: cheverny@cheverny.com.br, Site: www.cheverny.com.br

Conteúdo Programático

  • Introdução e Conceitos;
  • Legislação e Campos de Atuação;
  • Norma de Avaliação de Bens (NBR 14.653 – Partes 1 e 2);
  • Avaliação de Edificações pelo Método de Quantificação de Custo;
  • Avaliação de Imóveis Urbanos pelo Método Evolutivo;
  • Avaliação de Imóveis Urbanos pelo Método Involutivo;
  • Avaliação de Imóveis Urbanos pelo Método Comparativo Direto (Tratamento por Fatores);
  • Especificação das Avaliações: Fundamentação e Precisão;
  • Elaboração do Laudo Técnico de Avaliação;
  • Procedimento da Prova Pericial de Avaliação em Juízo;

Detalhes

  • Aos participantes serão fornecidos material didático (apostila), pasta, bloco, caneta, certificado de conclusão e coffee break;
  • Carga Horária: 16 horas/aula
  • Investimento: de R$350,00 a R$500,00
  • Instrutores: Eng.º Civil Aurélio José Lara e Eng.º Civil e Eletricista Frederico Correia Lima Coelho
  • Informações: IBAPE-MG (31)3275-0101 / (31)3275-0102 ibape-mg@ibape-mg.com.br

Uma solução prática – Vistoria Online

O site Laudo de Vistoria Online (www.vistoriaonline.com) possui uma solução prática para realizar vistorias de diferentes tipos.
Através dele, o vistoriador realiza a vistoria através do seu celular ou notebook diretamente do local que deseja.
No caso de imóveis, por exemplo, ele define a quantidade de cada cômodo (2 quartos, 1 banheiro, 1 cozinha) e inicia a vistoria. Ao finalizar, a empresa recebe um e-mail em tempo real, com a vistoria já padronizada (com as melhores práticas do mercado) e aberta para customização.
Após finalizar sua vistoria de entrada, ela também serve de base para você realizar a de retificação (contestação) e a de saída, o que facilita seu trabalho e economiza tempo.
Acesse agora o site e teste o sistema sem nenhum compromisso.
É o fim da prancheta!

Fonte: Perícias Judiciais

Tags: , , , ,

CURSO: Avaliação de Imóveis do IBAPE-BA

Período: 25/11/2010 – 18:00 às 22:00 (quinta-feira) – 26/11/2010 – 08:00 às 18:00 (sexta-feira) – 27/11/2010 – 08:00 às 16:30 (sábado)

Objetivo

Iniciação ou reciclagem fundamentada e prática do profissional na Engenharia de Avaliações através de procedimentos técnicos que permitam abordar a as metodologias científicas aplicadas a avaliações comparativas do mercado imobiliário, onde os conceitos serão apresentados através de exemplos reais, mediante uso do aplicativo adotado pela CAIXA SisReN – Regressão Linear e Redes Neurais Artificiais, com ênfase na interpretação dos resultados. (Tema: Curso de Avaliação de Imóveis do IBAPE

Instrutor

Antônio Pelli Neto – Engenheiro Mecânico e Civil. Instrutor em diversos cursos em todo país. Autor dos softwares: SISREN – Sistema de Redes Neurais e Regressão Linear, SISPLANV – Sistema de Apoio ao Desenvolvimento de Planta de Valores e SISRENDA – Sistema de Avaliação de Empreendimentos de Base Imobiliária, aplicativo SISREG – Sistema de Regressão Linear Múltipla, SISDAT – Banco de dados Imobiliários e Co -SISVALUE – Sistema de Avaliação de Empreendimentos de Base Econômica. Mestrando em Inteligência Artificial na UFMG e Diretor Técnico da Pelli Sistemas.

Público Alvo

Profissional inscrito no sistema CREA/CONFEA com conhecimentos em Estatística Aplicado a Avaliações Imobiliárias.

Investimento

R$ 540,00 a R$ 675,00, sócios do IBAPE-BA são favorecidos

Detalhes

- Um desktop para cada dois alunos; (Tema: Curso de Avaliação de Imóveis do IBAPE)
- Local: Escola Politécnica da UFBA
- Informações e inscrições: Secretaria do IBAPE/BA: Virgínia – Telefax 71.3334-8300 / 9166-2720 / secretaria@ibapebahia.org.br
- Não sendo atingido o número mínimo de participantes o curso será cancelado e os valores pagos devolvidos. (Tema: Curso de Avaliação de Imóveis do IBAPE)

Uma solução prática – Vistoria Online

O site Laudo de Vistoria Online (www.vistoriaonline.com) possui uma solução prática para realizar vistorias de diferentes tipos.
Através dele, o vistoriador realiza a vistoria através do seu celular ou notebook diretamente do local que deseja.
No caso de imóveis, por exemplo, ele define a quantidade de cada cômodo (2 quartos, 1 banheiro, 1 cozinha) e inicia a vistoria. Ao finalizar, a empresa recebe um e-mail em tempo real, com a vistoria já padronizada (com as melhores práticas do mercado) e aberta para customização.
Após finalizar sua vistoria de entrada, ela também serve de base para você realizar a de retificação (contestação) e a de saída, o que facilita seu trabalho e economiza tempo.
Acesse agora o site e teste o sistema sem nenhum compromisso.
É o fim da prancheta!

Fonte: Perícias Judiciais

Tags: , , ,

Métodos para identificar o custo de benfeitorias nas avaliações de imóveis

Avaliações de imóveis isolados

É muito comum o perito-avaliador defrontar-se com avaliações de casas isoladas em terrenos que, devido à espécie do lote, ao tipo de benfeitorias e à área de construção, tornam impossível encontrar ofertas, na mesma região, semelhantes ao imóvel a ser avaliado, de maneira que se possa compará-los diretamente.
Nesses casos, é necessário avaliar segundo o Método Evolutivo, melhor descrito no item 30.18 do livro Manual de Perícias (autor Rui Juliano), segundo o qual, o imóvel é avaliado conjugando-se dois métodos distintos. Por exemplo: o terreno é avaliado pelo Método Comparativo de Dados de Mercado, utilizando-se uma simples média de imóveis ofertados ou, sofisticando-se, a regressão múltipla, e as benfeitorias, pelo Método de Quantificação do Custo de Benfeitorias, empregando-se basicamente o Custo Unitário Padrão da Construção Civil – CUB por metro quadrado.

Método de Quantificação de Custo

O Método de Quantificação de Custo é utilizado para identificar o custo de reedição de benfeitorias ou custo de reprodução, podendo ser apropriado pelo Custo Unitário Básico de Construção ou ainda por orçamento, com citação das fontes consultadas.
O mais comum é realizarem-se avaliações utilizando-se o Custo Unitário Básico de construção, precisamente o já citado CUB, editado pelos Sindicatos das Indústrias da Construção Civil de cada Estado. Nesse caso, é possível calcular o valor da construção como nova, aplicando-se o modelo existente definido no livro.

A identificação do custo pelo orçamento detalhado é feita através de levantamento dos quantitativos de materiais e serviços aplicados na obra. De acordo com as especificações dos materiais e serviços utilizados para a execução da benfeitoria, coletam-se os seus respectivos custos em fontes de consulta especializadas, sendo que no preenchimento da planilha orçamentária deve constar o de todos os serviços. Devem também ser indicados a unidade de medida, a quantidade, o custo unitário, o custo total e a fonte de consulta.

Cálculo da depreciação física

O cálculo da depreciação física pode ser realizado de duas formas:

  • pelo modo analítico, no qual se faz necessária a realização de um orçamento da recomposição do imóvel à condição de novo;
  • pela aplicação simples de coeficiente de depreciação, que leve em conta a idade da construção e o seu estado de conservação. Esse coeficiente deve ser aplicado sobre o valor depreciável.

O segundo tipo é mais usual nos laudos judiciais, em pode ser aplicada a consagrada Tabela Ross-Heideck de depreciação (clique aqui para mais detalhes).

Por outro lado, o custo de reedição da benfeitoria seria o resultado do custo de reprodução subtraído da parcela relativa à depreciação, que é a perda de valor de um bem devido a modificações em seu estado ou qualidade, pode ser ocasionada pela:

  • Decrepitude: desgaste de suas partes constitutivas, em consequência de seu envelhecimento natural, em condições normais de utilização e manutenção.
  • Deterioração: desgaste de seus componentes em razão de uso ou manutenção inadequados.
  • Mutilação: retirada de sistemas ou componentes originalmente existentes.
  • Obsoletismo: superação tecnológica ou funcional.

Por último, o Método Comparativo Direto para a Avaliação de Custos é aquele que considera uma amostra composta por imóveis com projetos semelhantes, a partir da qual serão elaborados modelos seguindo os procedimentos usuais do Método Comparativo Direto de Dados de Mercado.

As matrículas dos imóveis, a serem juntadas como anexos aos trabalhos avaliatórios, são elementos importantes para a identificação do imóvel, fornecendo sua localização e situação, assim como dimensões e benfeitorias que possuem.

Se for avaliado um terreno com benfeitorias e na matrícula constar apenas o terreno, sem as mesmas, é sinal de que o imóvel, possivelmente, não possui projeto aprovado pela prefeitura, o habite-se, ou não estão saldadas as suas dívidas de construção junto aos órgãos oficiais.

Uma solução prática – Vistoria Online

O site Laudo de Vistoria Online (www.vistoriaonline.com) possui uma solução prática para realizar vistorias em imóveis.
Através dele, o vistoriador realiza a vistoria através do seu celular ou notebook diretamente do imóvel.
Ele define a quantidade de cada cômodo (2 quartos, 1 banheiro, 1 cozinha) e inicia a vistoria. Ao finalizar, a empresa recebe um e-mail em tempo real, com a vistoria já padronizada (com as melhores práticas do mercado) e aberta para customização.
Após finalizar sua vistoria de entrada, ela também serve de base para você realizar a de retificação (contestação) e a de saída, o que facilita seu trabalho e economiza tempo.
Acesse agora o site e teste o sistema sem nenhum compromisso.
É o fim da prancheta!

Dica do Rui Juliano

Tags: , , , , , ,

Proprietário que não acompanha locação pode ter surpresa no final do contrato

A atenção do proprietário de um imóvel deve permanecer redobrada durante o período vigente do contrato de aluguel, entre ele e o inquilino. O objetivo é não sofrer com surpresas no decorrer de todo o processo de locação.

De acordo com a empresa de administração imobiliária Lello Imóveis, os locatários precisam se policiar em assuntos que muitas vezes acabam sendo deixados de lado, como o recolhimento do IPTU, água, luz, gás e condomínio.

“Se o inquilino não pagar o IPTU, por exemplo, vira dívida ativa do Município e como a carta da Prefeitura é endereçada ao imóvel alugado, o locador pode nem tomar conhecimento do problema e acumular uma dívida significativa junto aos cofres públicos”, afirma a diretora da Lello Imóveis, Roseli Hernandes.

Cuidados

Entre os cuidados mais importantes que o proprietário deve tomar está a transferência de contas de água, luz e gás para o nome do inquilino, uma vez que esses encargos passam a ser de responsabilidade do morador do imóvel.

A falta de acompanhamento adequado em relação ao pagamento dessas despesas pode trazer sérios transtornos e onerosos gastos ao locador, durante o processo completo da locação.

Fonte: UOL Casa e Imóveis

Tags: , , ,

Corretores de imóveis agora possuem atribuição para realizarem perícias de avaliações imobiliárias

Os corretores de imóveis permanecem autorizados a fazer avaliações de preço solicitadas pelos clientes. Essa foi a decisão da Sétima Turma do TRF da 1.ª Região, que contrariou uma apelação do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea) e do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia (Ibape).

As duas instituições tentavam anular a Resolução 957, de 2006, do Conselho Federal dos Corretores de Imóveis (Cofeci). O documento autoriza os corretores a emitirem Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica, para determinar o valor comercial de um imóvel. O Confea e o Ibape defendem que essa atribuição deve ser privativa de engenheiros.

Os apelantes argumentaram que a resolução fere o artigo 3 da Lei 6.530/78, que define as competências dos corretores. Pelo texto, além da compra e venda de imóveis, os profissionais também podem “opinar quanto à comercialização imobiliária”. Assim, o Confea e o Ibape ponderaram que, ao fazer avaliações de imóveis, os corretores extrapolam o limite da lei – de “apenas” opinar – e incorrem em outra prática ilícita: o exercício ilegal da profissão.

Entretanto, o relator do processo no TRF, desembargador federal Reynaldo Fonseca, verificou em seu voto que “opinar quanto à comercialização imobiliária’ inclui a elaboração do Parecer de Avaliação Mercadológica”, descrito no art. 3.º da referida resolução e que este, por sua vez, não se desvia das determinações contidas na Lei 6.530/78. O relator também destacou que, ao editar a Resolução 957/06, o Cofeci não se desviou de suas finalidades, e que o documento serve para “disciplinar o exercício da profissão, uniformizando procedimentos, muitas vezes, realizados dentro da informalidade”.

O magistrado ressaltou, ainda, que a Lei 5.194/66, ao detalhar as atividades que competem ao engenheiro, arquiteto e engenheiro-agrônomo, “não excluiu a possibilidade de (elas) serem realizadas por outros profissionais”. Dessa forma, o desembargador federal concluiu que, para fazer a avaliação do preço de um imóvel, o corretor não precisa ter “formação específica na área de engenharia, arquitetura ou agronomia”, porque essa avaliação já está relacionada com sua área de atuação e conhecimento.

Para embasar a decisão, o desembargador federal fez referência a processos julgados no TRF da 4.ª Região e no Superior Tribunal de Justiça (STJ), e que consolidaram entendimento no mesmo sentido. Diante disso, a Sétima Turma negou provimento à apelação e, assim, a Resolução 957/06 do Cofeci permanece em vigor.

Apelação Cível 2007.34.00.0105910/DF
Fonte: TRF da 1.ª Região, 20/08/2010

Para saber mais, acesse o documento clicando aqui.

Fonte: Caso de perícia

Tags: , , , , ,

Crea alerta para danos a imóvel vizinho à obras

Cresce número de ações judiciais envolvendo danos a imóveis vizinhos à obra

Não é apenas o barulho do bate-estaca e a poeira que perturba os moradores dos arredores de um prédio em construção. Segundo o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ), é cada vez maior o número de ações judiciais envolvendo danos a imóveis vizinhos à obra.

Nesses casos, orienta o órgão, o ideal é que o condomínio tenha em mãos um laudo técnico que aponte as condições estruturais do prédio antes do início da construção.

“O laudo é uma forma de reunir provas antecipadamente. Portanto, pode ser usado para solicitar reparos caso haja algum dano, conforme prevê o artigo 572 do Código Civil”, explica o engenheiro civil Antônio Eulálio Araújo.

ENGENHEIROS DAS DUAS PARTES PARTICIPAM DA VISTORIA - Os moradores, explica Araújo, devem contratar um engenheiro perito de confiança. A vistoria, por sua vez, é feita em conjunto com um engenheiro indicado pela construtora. Feito o laudo, ambos assinam o documento, atestando que ele retrata, de forma fiel, a situação atual do prédio. Isso garantirá que nenhuma das partes desminta a outra em caso de uma ação judicial.

“O laudo relata a existência ou não de vícios de construção, como trincas, por meio de fotografias e descrições técnicas. Além disso, avalia a situação de revestimentos e aponta infiltrações e deformidades estruturais em parapeitos e esquadrias”, acrescenta.

Fonte: ZAP Imóveis

Tags: , , , ,

Especialistas recomendam vistoria em imóvel alugado

Vistoria pode evitar “dores de cabeça” para locador e locatário

A execução de uma boa vistoria na hora de alugar um imóvel pode evitar muita dor de cabeça. Na opinião dos especialistas, ela é uma garantia tanto para o locador quanto para o locatário. Na hora de deixar o imóvel, ela vai servir para mostrar se ele está sendo devolvido na mesma forma em que estava quando foi alugado, explica o advogado especialista em direito imobiliário Luiz Octávio Augusto Rezende, da Berti e Rezende Advogados.

A vistoria consiste em verificar as condições em que o imóvel se encontra e fazer uma lista com elas. O advogado recomenda que constem dela informações sobre a pintura, o carpete, infiltrações e luminárias, por exemplo. Se possível, é recomendável anexar fotos a este laudo, sugere. Ele acrescenta que todas as partes envolvidas (locador, locatário, imobiliária) devem assinar a vistoria depois de pronta.

O locador tem de devolver o imóvel nas condições que recebeu, salvo deterioração do tempo, afirma Roseli Hernandes, gerente geral da Lello Imóveis. Só a vistoria pode servir para essa comprovação, e mesmo assim muitas imobiliárias ainda não fazem, diz.

Se o imóvel não estiver em boas condições na hora da locação e precisar de reparos, o locatário pode se responsabilizar por fazê-las. Nesse caso, ele pode negociar um abatimento no valor do aluguel para pagar pelas obras, afirma a coordenadora institucional da Pro Teste Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, Maria Inês Dolci.

Vícios ocultos

Apesar da vistoria, com o tempo podem aparecer outros problemas no imóvel, os chamados vícios ocultos como um vazamento, por exemplo. Se isso acontecer, o advogado Rezende recomenda que o inquilino comunique formalmente o proprietário ou a imobiliária quem for responsável por administrar o contrato de locação. Recomendo que a comunicação seja feita por telegrama, porque haverá registro, diz.

Da mesma forma como no início do contrato, essa obra pode ser feita pelo inquilino e paga pelo proprietário do imóvel por meio de desconto no valor do aluguel mas isso se for um defeito do imóvel ou uma obra que vai beneficiar o imóvel. Em caso de entupimento ou outros defeitos que aparecem naturalmente com o uso, a despesa deve ser paga pelo locatário, diz Maria Inês, da Pro Teste.

Nota do Eng. Rone Antônio de Azevedo

De acordo com a Lei Federal nº 5.194/66 e Resoluções do Confea nº 218/73 e nº 345/90, somente engenheiros civis e arquitetos possuem atribuição legal para elaborar laudos técnicos e vistoriar edificações e construções. Laudos elaborados por leigos, técnicos de nível médio ou tecnólogos serão desconsiderados pelo juiz ou árbrito em demandas judiciais, além do maior risco de apresentarem conclusões sem fundamento técnico.

Ao contratar engenheiros civis ou arquitetos deve ser exigida a guia assinada pelo profissional da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), referente à vistoria e emissão do laudo. A ART deverá ser autenticada ou comprovar-se quitação junto ao Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia – Crea – de cada Estado. A ART é muito importante, pois vincula o serviço ao profissional, funcionando como garantia contratual para responsabilização legal.

Uma solução prática – Vistoria Online

O site Laudo de Vistoria Online (www.vistoriaonline.com) possui uma solução prática para realizar vistorias em imóveis.
Através dele, o vistoriador realiza a vistoria através do seu celular ou notebook diretamente do imóvel.
Ele define a quantidade de cada cômodo (2 quartos, 1 banheiro, 1 cozinha) e inicia a vistoria. Ao finalizar, a empresa recebe um e-mail em tempo real, com a vistoria já padronizada (com as melhores práticas do mercado) e aberta para customização.
Após finalizar sua vistoria de entrada, ela também serve de base para você realizar a de retificação (contestação) e a de saída, o que facilita seu trabalho e economiza tempo.
Acesse agora o site e teste o sistema sem nenhum compromisso.
É o fim da prancheta!

Fonte: Caso de Perícia

Tags: , , , ,